Venerável Antonieta Farani

Sua família sofreu traição de parentes, e ela, pela força da Eucaristia, dada a nós “pelo perdão dos pecados”, torna-se verdadeira apóstola do perdão! Conheça sua biografia!


Cadastre-se e receba nosso informativo:
E-mail: Cadastrar | Remover
Canais
Principal
COMECE AQUI !
Patrocinadores
Santos
ELENCO GERAL
Beato Inácio e Com.
São Roque e Com.
São José de Anchieta
Santa Paulina
Santo Antônio Galvão
Santos Mártires RN
Beato Eustáquio
Beato Mariano
Beata Albertina
Beatos Manuel e Adílio
Beata Lindalva
Beata Bárbara Maix
Beata Dulce
Beata Nhá Chica
Beata Assunta Marchetti
Beato Pe. Victor
Beato João Schiavo
Ven. Teodora Voiron
Ven. Antonieta Farani
Ven. Rodolfo Komorek
Ven. Attilio Giordani
Ven. Ir. Serafina
Ven. Me. Ma. Teresa
Ven. Dom Viçoso
Ven. Marcello Candia
Ven. Pelágio Sauter
Ven. José Marchetti
Ven. Daniel de Samarate
Ven. Pe. Donizetti
Ven. Frei Damião
Ven. Nelsinho Santana
Ven. Frei Salvador Pinzetta
Outras Biografias
Temas
Papa Bento XVI
Santos do Brasil
Processos de Canonização
Beatificação e Canonização
Comunhão dos Santos
 
E-mail:
Senha:
 
» Santos do Brasil » Pinzetta
 

- Venerável Frei Salvador Pinzetta

Venerável Frei Salvador Pinzetta

(*27/junho/1911 - +31/maio/1972)

 

 Luigi Pinzetta e Teodora Romani, avós do nosso santo, chegaram da Itália no Brasil em 1878. Depois de morarem em outros locais, estabeleceram residência na Linha 16, em Casca (RS). Não perderam tempo e trataram logo de construir uma capela dedicada a Santo Antônio. O casal teve diversos filhos, dentre eles: Anareo, Fiorentino (pai do Frei Salvador), Marcelo, Antônio, Beatrice e Prosperina. Luigi faleceu no dia 28 de julho de 1923, com 76 anos.

Fiorentino, filho de Luigi e Teodora, nasceu em Bento Gonçalves (RS), no dia 02 de outubro de 1888. Já sua esposa Isabela, era natural de Guaporé (RS), filha de Quintino e Gentilla Romani. Casaram-se por volta de 1909. Em 20 de julho de 1910 nasceu a primeira filha, Levínea. Numa quinta-feira, em 27 de julho de 1911 (no registro 29), imerso em ambiente simples, alegre e religioso, nasceu Hermínio, o segundo filho do humilde casal de agricultores, que foi abençado com 13 rebentos no total. Os dois primeiros seguiram a vida religiosa: Levínea entrou na Congregação das Irmãs Carlistas Scalabrinianas e atendia pelo nome de Irmã Flora; Hermínio ingressou com 32 anos na Ordem dos Frades Menores Capuchinhos da Província do Rio Grande do Sul, assumindo o nome de Frei Salvador de Casca.

O batismo de Hermínio ocorreu apenas no dia 21 de outubro de 1911, por conta da distância (13 Km da Igreja de Casca), o tempo frio e as condições precárias das estradas.

 

Não lhe faltou afeto da família, a companhia dos irmãos, parentes e amigos. Acompanhava e auxiliava com pequenos serviços os pais na roça, onde teve a oportunidade de viver em meio às plantações e ao zelo no trato com os animais. Através do incentivo e exemplo dos pais, do nono Luigi e demais familiares, compreendeu que existe um Deus bom a velar por nós. Rezava ao levantar e deitar; antes e depois das refeições, no começo dos trabalhos. O terço em família era sagrado. Desde pequeno, Hermínio revelou personalidade dócil aos ensinamentos dos pais e da Igreja.

A Gripe Espanhola alastrou-se pelo Estado, semeando pânico e mortes em 1918. A doença atingiu a família dos tios e padrinhos de Hermínio, Anareo e Cecília, que faleceram. O casal deixou cinco filhos, todos com menos de 11 anos. As crianças foram acolhidas e criadas pelos avós paternos, Luigi e Teodora. Hermínio e os irmãos Levínia, Rinaldo e Pedro, além dos pais, passaram a morar também com os avós Luigi e Teodora durante 13 meses, por medo da epidemia. Luigi contava então com 19 pessoas na família, entre crianças e adultos. As lições de catecismo e o ensinamento das orações ficou sob responsabilidade de Luigi. E, Teodora, era uma mãe para todos.

Freqüentar a escola sempre foi um desejo de Hermínio. Porém, apenas teve oportunidade de receber estudos rudimentares, onde o primário não foi concluído. Gostava de ler, sobretudo a História Sagrada e livros religiosos. Autodidata, Hermínio desenvolveu um conhecimento intuitivo, experimental e prático que lhe forneceu grande capacidade de discernimento e bom censo. O nono Luigi, domingos à tarde na capela, os preparou para a primeira Comunhão. O bom velhinho era estimado por todos, pois suas palavras eram confirmadas pelo testemunho de sua vida cheia de fé. Hermínio aplicou-se no catecismo. Rezou muito e esperou ansioso o dia de receber pela primeira vez a Comunhão. Possuía quase 12 anos e uma particular abertura de coração ao mistério da presença eucarística.

Daquele momento em diante, Hermínio continuou participando da Ceia do Senhor e do sacramento da Reconciliação, sempre firme e forte, sem jamais esmorecer. Rinaldo testemunha que ao aproximar-se da mesa da Comunhão seu irmão chegava a tremer. Imaginou que fosse de acanhamento, vergonha do padre. Mas, era por um sentimento de reverência de quem se sente indigno de receber em Comunhão aquele que é o Criador do universo. Mais tarde, Hermínio diria: “Deus é tudo, nós somos nada.”.

Com a morte de Luigi, o avô, aos 76 anos, Fiorentino, pai de Hermínio, assumiu a missão de catequista. Continuou a preparação para o sacramento do Crisma dos próprios filhos, Levínia, Hermínio e Rinaldo e de outros catequizandos. O arcebispo de Porto Alegre (RS), Dom João Becker administrou o Crisma no dia 14 de outubro de 1924, na Igreja São Luiz Gonzaga de Casca, a Hermínio, na época com 13 anos.

Hermínio foi assumindo aos poucos com os pais e irmãos o trabalho da roça, da criação e dos afazeres domésticos. Cavalgava pelas estradas a caminho do moinho ou às casas comerciais da região, em busca do necessário à família. Era prestativo, respeitoso e amigo, ao nutrir bom relacionamento com a família e comunidade. Era muito estimado e ouvido pelos irmãos. Hermínio era um jovem como os demais, bom companheiro e muito feliz, com sorriso permanente estampado no rosto e uma refinada sensibilidade no trato com as pessoas, principalmente com os doentes e necessitados de ajuda. Vivia mais ligado à penitência do que à diversão, mais voltado para a igreja do ao salão de festas. Cristão autêntico, Hermínio recorria com freqüência ao sacramento da Confissão. Sua vida foi muito discreta e pessoas atentas logo perceberam nele uma presença “diferente”, com sabor de plenitude.

Sem se queixar da fadiga ou do calor, Hermínio conheceu cedo o árduo trabalho diário do campo. Gostava de fazer o serviço bem feito e caprichado. Apreciava as plantações, a natureza e os animais. Não raras vezes, durante o trabalho, demorava-se em silenciosas orações ou em conversas produtivas e úteis, freqüentemente sobre assuntos religiosos. A oração era o forte de Hermínio, sua paixão, sua alegria e sua razão de ser. Amava a Eucaristia.

Era fidelíssimo devoto de Nossa Senhora, a quem amava com toda sinceridade filial. Recitava o terço. Gostava de cantar seus louvores. Nutria também uma devoção especial a São Luiz Gonzaga, padroeiro da paróquia e da juventude; a Santa Terezinha do Menino Jesus; a Santo Antônio, padroeiro da Capela do Trinta; as almas do purgatório; as grandes festas do ano e, mais tarde, a São Francisco de Assis.

Mesmo com pouco estudo e dificuldades, ele apreciava a leitura. Lia livros religiosos, a História Sagrada e outros devocionais. Além de biografias de santos e santas.  

Os indícios vocacionais de Hermínio surgiram quando esse tinha por volta de 20anos. Teve a ideia de ser padre, mas não a manifestou por entender que já passara da idade e, por isso, não seria aceito. O pároco Padre Alexandre Studzinski o encorajou a passar um tempo no Convento dos Capuchinhos, para ver se poderia ser frade. No início de 1944, se despediu dos familiares e partiu para o Convento São Boaventura de Marau, acompanhado do pai Fiorentino.

Foi-se entrosando com os frades, seu modo de viver, de rezar e trabalhar. Trabalhava na horta, parreiral, cantina, cozinha e portaria. Agradou-lhe a experiência e firmou o propósito de levá-la adiante. A breve permanência de Hermínio em Marau foi suficiente para despertar nos frades uma eloquente admiração. Lembram de sua figura discreta e recolhida, delicado no trato e prestativo no trabalho, alguém que rezava a todo instante e passava longas horas na capela com livro ou terço na mão.

No Convento de Flores da Cunha, após a experiência com os frades de Marau, participou do ano de Noviciado. Hermínio foi bem recebido pelos frades, porém com certa estranheza, devido à sua idade avançada, 32 anos. Ao falar misturava português e dialeto com conotações típicas, voz aguda e fala mansa. No aspecto físico era alto, magro, cabelos claros, nariz reto. A mãe esquerda era defeituosa. Olhar sereno e transparente e rosto discretamente risonho. Modo cortês e simples, típico do homem da roça. Tornou-se familiar na casa de maneira bastante rápida, aquela figura leve, recolhida e silenciosa, mas ativa, sempre comunicando bondade e piedade sincera e notável, despertando admiração e respeito em seus semelhantes.

Começou o trabalho espiritual e também o trabalho braçal na horta, na cozinha, disposto a mudar de vida. A horta era pesada, difícil, e também os outros trabalhos. Talvez, a mão atrofiada lhe dificultava a labuta. Esteve a ponto de desistir. No princípio, muitas dificuldades, que foram vencidas pela oração.

Hermínio preparou-se para o Noviciado com muita dedicação. Assumiu um propósito: “Tornar-se sempre mais santo.”. E esclarece: “Ser santo não é fazer milagres; é amar a Jesus de todo o coração e entregar-se a Ele sem reservas; é crer firmemente em seu amor e fazer unicamente e em tudo a vontade de Deus.”. Ele escreveu: “O trabalho que é minha enxada, por esta enxada e oração espero chegar ao céu.” Começado o Noviciado, passou a se chamar Frei Salvador de Casca. Durante o ano de Noviciado, aprofundaram a vivência capuchinha, bem como o conhecimento da Regra de São Francisco de Assis.

Na véspera de fazer os primeiros votos, o mestre Frei Fulgêncio quis certificar-se da sua decisão e perguntou por quais motivos quer fazer a Profissão religiosa. E Salvador respondeu:  ”Eu quero rezar e sacrificar-me para me entregar sem reservas a Deus, por sua glória e honra. Quero ser religioso para salvar muitas almas. E também para rezar e sacrificar-me pelos sacerdotes e missionária à imitação de Santa Terezinha do Menino Jesus... Quero rezar e sacrificar-me para que Nosso Senhor mande muitos irmãos capuchinhos, pois vejo que somos poucos em comparação com o número de padres e as necessidades que temos.”  Fez a Profissão Religiosa simples como Irmão Leigo na Ordem dos Frades Menores Capuchinhos da Província do Rio Grande do Sul, no dia 06 de janeiro de 1946. Em seguida, foi a Garibaldi (RS) e lá residiu por dois anos. Em 29 de janeiro de 1948, retornou a Flores da Cunha, onde no dia 06 de janeiro de 1949 fez a Profissão solene e definitiva.

 Exerceu sua missão como frade capuchinho durante mais ou menos 27 anos em Flores da Cunha. Faleceu no dia 31 de maio as 18h00min, hora da Ave Maria e véspera da festa de Corpus Christi. Duas devoções que viveu intensamente: Nossa Senhora e a Eucaristia. Antes de sua morte, três sacerdotes administraram-lhe a Unção dos Enfermos. Foi sepultado no Cemitério Municipal, no jazigo dos Frades Capuchinhos. Seu enterro coincidiu com a procissão de Corpus Christi. Ele dizia: “Sou o que sou diante de Deus.”. Considerava-se um pecador, e o povo tem convicção de que é um “santo”. Todos o conheciam como o “Padre Santo”.

Durante mais ou menos 27 anos de sua missão em Flores da Cunha, o Frei Salvador exerceu diversas atividades: na cozinha, na portaria, na horta, no jardim, na roça, na apicultura, na coleta da uva das famílias, na cantina preparando o vinho. Trabalhava acompanhando os jovens candidatos à vida religiosa. Durante o trabalho, rezava o terço e outras orações com os companheiros ou fazia momentos de silêncio. Frei Salvador não vivia ocioso. Quando não estava no serviço, vivia na capela rezando, semelhante à sua postura quando ainda jovem. O povo recorda com saudade e carinho o atendimento que ele prestava na portaria, acolhia a todos com alegria e bom trato. Aos necessitados, antes da esmola dava-lhes conselhos e mensagens. Repartia com as famílias sementes, mudas de hortaliças, recomendando que as plantassem acompanhadas de oração e muita fé.

Frei Salvador foi, por longo tempo, auxiliar de mestre dos Postulantes e Noviços dos Irmãos Leigos. Visitava, por iniciativa própria, os enfermos nas residências e no hospital; o Mandato de Ministro Extraordinário da Eucaristia e dos Enfermos foi instituído no dia 22 de abril de 1970 e entregue no dia 26, juntamente com os símbolos do ministério. Sentia-se feliz de carregar Jesus pelas ruas e de levá-lo aos enfermos nas casas e no hospital. Recomendava as orações de todos para exercer de forma digna o serviço. Tornou-se muito querido do povo neste trabalho e foi nele que Frei Salvador deixou mais saudade.

Leia sua bela biografia completa no site www.freisalvador.org.br, dedicado a este nosso querido santo, com orações e últimas notícias de sua causa de canonização!

Inserida por: Administrador fonte:  administrador


 
 
 
Elaboramos esse site
com o objetivo de divulgar nossos santos.
 
 

Hospedagem e
Desenvolvimento